segunda-feira, novembro 26, 2012

“Siga os passos”





Saber andar com Deus mais não seguir seus passos,
É o mesmo que desenhar em uma folha branca
E nada do que fora desenhado aparecer.

É o mesmo que beber água e continuar com sede,
É o mesmo que comer e não saciar a fome,
Não basta apenas andar com Deus,
Tem que seguir seus passos.

Agir e falar como Ele,
Ser paciente na tribulação,
Perseverante até ao fim.

Andar com Deus, não é simplesmente andar ao seu lado,
Mais fazer a diferença como Ele faz,
É o mesmo que desenhar e aparecer em cores,
Sorrir e curar o chorar,
Falar e torna o amargo em doce como mel.

Porque Deus age quando quer,
No silêncio, no louvor na palavra,
Não importa a maneira,
Ele jamais te deixa no vazio.

Tudo é uma questão de tempo,
procedimentos que Deus modela-te.
E se ainda Deus não te respondeu não chores!
Não reclames!
É porque Ele quer que você se achegue, mas a Ele,

Siga seus passos,
Escute no silêncio,
Espere com fé!
E, desenhe com ousadia...


Panmela Pacheco

segunda-feira, novembro 19, 2012

“Queria, mais o medo não quer”




Queria usar todas as palavras possíveis para descrever o que sinto.

Queria usar o que dentro de mim para mostrar o quem eu sou.

Queria ser eu para você, e declarar- me sem medo.

Queria perde o medo de olhar nos seus olhos e encontrar seus lábios.

Queria encontrar seus lábios e demonstrar em um beijo a minha paixão.

Queria pegar minha paixão e entregar em suas mãos.

Queria tocar em suas mãos, e sentir o calor delas sobre as minhas.

Mas as palavras não soam, e o meu eu esconde- se.

O meu olhar disfarça, e meus lábios sorriem como se nada acontece dentro de mim.

A paixão desparece no meio de um deserto sem fim.

Apagando pensamentos de possibilidades de estar junto a ti.

Segurando fortemente uma caneta descrevo pra ti.

Um dia talvez ei de dizer, queria que fosse agora!

Mais o medo só me faz esconder.

Panmela Pacheco

segunda-feira, novembro 12, 2012

Confuso





Confuso é você se confundir na confusão mais confusa,
Em meio ao confundido confuso.

Assim é um coração confuso,
Confuso no olhar, no falar, no agir e no pensar.
confundi o confuso a confundir.

Não entende o porquê, não escolhe,
O coração fica sem ação,
Agindo pela razão tomada pela emoção
no meio na confusão.

Confunde o confuso,
Sem ter um ponto final da confusão.
Sem início, sem meio sem fim.


Panmela Pacheco

segunda-feira, novembro 05, 2012

“Pulga atrás da orelha”


         

Um dia alguém me disse que quando se fala demais o nome de uma pessoa,
É porque ela esta no seu coração!
Será?

Será o nome doce?
Ou será que o tornamos doce?
Será que está no coração?
Ou é apenas tentativa de apagar uma ilusão?

Quando se fala demais com carinho,
Acredito que seja amor,
Mais quando se fala na irá?
É sinal de paixão?

Agora abre se uma dúvida!
Amor? Ou, paixão?
Talvez eu fosse a pessoa certa pra responder,
Mais a primeira a duvidar!

Mais pra sem sobras de dúvidas,
É melhor jogar para ar,
E deixar o tempo me alcançar
Chega de retóricas! 


Panmela Pacheco