quinta-feira, agosto 30, 2012

“Vida interrogativa”




Subir ou descer?
Sorrir ou chorar?
Gritar ou cantar?
Falar ou expressar?
Sonhar ou realizar?
Andar ou desfilar?

São interrogações que a vida nos ensina na prática.
Subimos quando preciso,
Descemos sempre que devido.

Sorrimos quando estamos tristes,
Mais também choramos de alegria.

Falamos às vezes demais,
E acabamos nos expressando mal.

Sonhamos alto,
Realizamos o que alcançamos com fé.

Andamos sem destino,
Mais desfilamos quando quer.

Apreendemos cada passo que a vida proporciona,
Conseguimos refletir e conquistar cada espaço,
As curiosidades nos ensina ver o que no mundo há,
Deixa as interrogações,
Muita das vezes sem noções.

Recebemos as exclamações,
E perdemos as emoções.
A vida é assim, boa, à toa,
De quem não tem nada pra pensar,
Ou até mesmo pergunta.

A vida é feita dos espertos curiosos à pergunta...
Mais, onde foram parar as interrogações?


Panmela Pacheco 

quarta-feira, agosto 22, 2012

"Aprendiz"




A momentos que é preciso ouvir “aquela música”.
Caminhar por aquele “caminho.”
Ouvir as “palavras”.

A música te trará lembranças,
Te fará flutuar,
Te levará para outro mundo,
E trará paz para alma,
Uma terapia pelo qual se possível não deixaria ter um fim,
Sem o final da letra, to toque, dos ritmos.
Tocaria sem fim...

Aquele caminho, tão longo,
Levará seus pensamentos ao mais alto,
Te fará refletir, pensar em tudo que te faz querer
 este caminho por algum momento.
Em cada passo lembraras cada palavra dita,
De cada momento vivido, de cada pensamento talvez insensato.
O caminho lembraras a sua vida.

A palavra te fará maduro,
Te trará conhecimento.
E de quem a ouvi lás,
Seguirás um bom exemplo,
pois os melhores conselhos?
Vem de quem já viveste.
Ouviras, talvez as sigam.
Mais jamais se esquecerás das palavras ouvida.

A combinação desses, mostra o quanto você evoluiu.
Todos precisamos passar por certos momentos,
apreender o significado e o sentido de cada palavra,
a diferença do conhecimento e da sabedoria,
Do fazer, e do obedecer,
Do pensar, agir, falar, e ser presente sem está.

A música te faz pensar pelo caminho que deves seguir,
sem medo de errar e nas palavras tropeçar.
Tudo faz sentido quando se tem um novo ponto de vista.
Viva, apreenda e compreenda.
Panmela Pacheco.


terça-feira, agosto 14, 2012

MITIFICAR



Não vou mudar o mundo com palavras,
Nem conseguia mudar com atitudes,
Muito menos obrigar alguém fazer o que eu quero,
A não ser que lhe ofereça dinheiro, ou,
Aponte uma arma em sua cabeça.

Mais a vida não pode seguir assim,
Com ameaças, e nem atitudes forçadas.
Quem acaba se machucando nesse conflito,
São os inocentes...

Quem meche com fogo,
Corre o risco de se queimar.
Mais que se queime sozinho,
Não leve a pureza com você.

Um dia você olhará e verá,
Que tudo foi em vão,
Que  você nunca teve razão,
Mais continuou a persisti no caminho da solidão.

Levando a paz de quem te ama,
O sorriso de quem te quer bem,
E o coração de um alguém...

Pense bem,
Mude sua vida, mesmo que o mundo não mude por você.
Corra o risco de ser feliz,
Mais não perca o caminho.

O foco está em suas mãos,
O caminho  na sua direção,
Não mecha com o fogo,
Mais não deixe que ele se apague de dentro de você.

Ame quem te ama,
Viva pra quem vive por você,
Chore, de alegria,
E não deixe que nada tire o seu valor...

A escolha está em suas mão,
Basta você enxergar!
 E para de querer se mudar.
Simplesmente, viva você!


PANMELA PACHECO



quarta-feira, agosto 08, 2012

Galanteador





É nesse olhar que eu me perco,
É nos seus braços que eu me vejo.
É o seu cheiro que eu sinto.

Sozinha, eu sorrio;
Lembrando- me do seu sorriso.
É, você que me deixa boba assim.

E é nessa loucura do vai e vem que eu deixei me levar,
Por um momento esqueci que não existe conto de fadas,
Esquecendo- me que é impossível ter você pra mim,
Mais está bem, foi eu que te aceitei assim,
Agora também é momento de aceita que chegou ao fim.

Não ria de mim,
Mais sorria para mim,
Não cruza os braços,
Mais me abrace daquele jeito que só você sabe.
Não feche os olhos ao ver- me;
Mais me olho de verdade.

Ok! Já entendi que terminou,
Eu aceitei não ter você pra mim, aceitei que é o fim.
Foi bom ter você por um momento,
Mais enfim, é o fim...

Você se foi, eu escolhi assim.
Nesse vai e vem,
Mais uma vez fechei os olhos e deixei você parti.
É, o conto de fadas acabou por aqui.

Panmela Pacheco