quinta-feira, dezembro 27, 2012

"Bloqueio"





Bloquear- se não significa ser fria,
É apenas prevenir de consequências.


É previnir se de chorar,
De sentir falta,
De amar sem ser amada.

Segurar as palavras,
Segurar as ações, nem sempre é medo.
É apenas zelo por ti mesmo.


Não significava egoismo,
Não quer dizer esnobe,
É apenas uma forma de adquirir,
Segurança no que quer e espera.

Talvez esperar atitude da outra pessoa,
Talvez apenas deixar acontecer sem machucar- se.

Bloquear se é deixar de tentar,
É perde as oportunidades,
Mas quando se é mais forte;
Não adianta palavras, nem sentimentos.


Porque o que tiver de ser será,
E se for pra ser Deus fará seu trabalhar!
Porque só Deus pode desbloquear,
Um coração com medo de amar!

Panmela Pacheco

terça-feira, dezembro 18, 2012

“Experiência adquire sabedoria”.




Há momentos que tentamos ser forte, ao ponto de lutarmos com nossas próprias forças, esquecendo que somos um ser limitado, esquecendo que acima de tudo existe um Deus para nos guiar e nos proteger. E é nessas limitações que Deus nos solta, como se fosse um bonequinho preso a uma corda, Ele vai soltando aos pouquinhos, permitindo muita das vezes que você arrebente- se, para apreender a caminhar com Ele, a pedir a Sua direção.
Sabemos que ouvir experiências, não é o mesmo que vivencia las, se fosse assim não colocaríamos limites a uma criança sobre o que deve se ou não fazer, pois elas ouviriam e o medo as proibiriam de continuar, ou, mesmo pensar em fazer algo, o mesmo com um adolescente, jovens e senhores, não importa a idade, enquanto uma pessoa não passa por uma experiência, ela não para de limitar se em tentar! Como diz o ditado popular, “... Mais sábio é aquele que apreende com o erro dos outros...” 
Aprender andar com as próprias pernas é bom, mais andar guiado por Deus é melhor ainda, você não erra, apreende a não errar! “... Não sejas sábio a teus próprios olhos...” Provérbios 3. 7.a;
Não caí, apreende a não cair! “O que ama a correção ama o conhecimento, mas o que aborrece a repreensão é um bruto...” Provérbios 12. 1;
 Não precipita, apreende a esperar! “... Mas eu, como surdo, não ouvia, e, como mudo, não abri a boca. Assim eu sou como homem que não ouve, e em cuja boca não há reprovação. Porque em ti, Senhor, espero; tu, senhor, meu Deus, me ouviras...” Salmos 38.13á 15;
 Não julga, apreende a compreender! “... Não julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados...” Mateus 7.1 e 2;
“ ... De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus...” Romanos 14. 12
Não fala, mais apreende a falar!  “... Se eu falar, a minha dor não cessa; e, calando-me, qual é o meu alivio?...” Jó 16. 6
 “... Não precipites com a tua boca...” Eclesiastes 5.2
 “... mas todo homem seja pronto para ouvir, tardio para falar...” Tiago 1. 19.
Contudo, ainda caminhando com Deus somos estimulados ao erro,apontados e julgados porque somos ser humanos falhos, propícios ao pecado, mais quando chegamos a Deus, Ele chega mais a nos,  limpa nossos pecados, torna nosso choro em riso, a tristeza em alegria. Porém precisamos sujeitar a Deus (Obedecer, Torna Obediente), resisti ao diabo (opor-se, recusar-se), para ele correr de vós; (Tiago 4.7).  E quanto maior o propósito de Deus sobre sua vida, maior será as calunias, tribulações, rejeições, porque no mundo tereis aflições, mais não percais o animo porque Deus é contigo, por maior que sejais  dor do sofrimento, quando se caminha com Deus tem grande recompensa; “... O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela amanhã...” Salmos 30. 5
Hoje digo, quem dera eu tivesse ouvido bem as pessoas sabias, evitaria muitas coisas, sofrimentos, perca e consequências que de fato vem com que plantamos. E nesse aprendizado que a vida permitiu me passar, ainda faltam-me palavras suficientes para sobre pólas em um papel, sei que muitas coisas ainda acontecerão, e mesmo assim faltarão palavras.
“...Quem me dera agora que minhas palavras se escrevessem! Quem me dera que se gravassem num livro! ...” Jó 19. 23

Panmela Pacheco

segunda-feira, dezembro 03, 2012

Amor de internet (versão do anônimo –História Real)



Um dia do nada começou,
A amizade que um amigo apresentou.
O tempo foi passando, a amizade aumentando e acho que amor se tornando!
Varias msg’s , risadas e conversas pelo celular, é não deu outra começei a amar,
Fui correspondido e assim começou meu amor de internet que agora passou.

Foi assim:

Eu trampava num lugar onde as horas demoravam a passar,
Nada pra fazer até “ ela “ aparecer;
Msg’s conversas e risadas tudo me animava e só nela pensava.
Como pode acontecer? Sem eu nunca te ver? Sabe me dizer? Então diga, quero saber!
Eu só posso dizer que com você as horas passavam voando;
Desde cedo até  as  madrugas conversando!
Até hoje imagino, éramos amigos até ela fazer um pedido: quer namorar comigo?!
Eu bobão na época aceitei o porque eu não sei, só sei que te amei!
O tempo foi passando,as brigas começando e o amor acabando.
Paramos de nos falar… Da pra acreditar?! Brigas bobas que nos fez se afastar!
Mas o mundo dá voltas e ela voltou, talvez como amiga pois tudo mudou!
O amor acabou e a amizade recomeçou!
Foi assim então que decidimos nos conhecer, mesmo sem amar precisava saber,
Quem era a menina que me fez sorrir, chorar e sofrer!
Chegou o dia da gente se ver , me preparei para o susto que sabia que ia ter!
Mas ela era gente boa por isso valia a pena, porque se fosse pela beleza
Vixii,  eu preferia o Datena!
E foi assim nossa história que até hoje me lembro
E te digo a verdade não me arrependo !
Varias risadas, vários momentos inesquecíveis. Por isso estou escrevendo!
E se você passar por minha vida tenha sido uma missão, eu digo que foi Missão cumprida!
Pois depois de tantos choros e sorrisos estamos aqui contando um fato que com certeza entrou pro livro da vida!
E foi nessa Caminhada que eu a conheci...
Hoje somos amigos e com você adoro sorrir!
E pra finalizar, queria dizer que apesar de tudo foi Bom amar você! Sabe por que?!
Porque “eu sei que tudo pode acontecer, e nosso amor não vai morrer “!!

(pelo menos na memória) !!

Tii adoroo Menina Gorda s2!”

By: Amigo platônico anonimo! kkk



Amor Platônico anônimo (minha versão- história real)




Já estava beirado a meia- noite quando tudo começou,
Ao telefone com meu amigo anônimo,
Lembrávamos de momentos que vivenciamos juntos,
Eu vivendo de um lado e ele do outro.

Incrível que não nos conhecíamos pessoalmente,
Mais amávamos como se nos conhecêssemos,
Pelo menos achávamos que era amor.
Era um amor platônico,
Amor de criança, amor sem esperança,
Mais que nos fez chorar,
E o mais engraçado de tudo isso é hoje lembrar.

Continuamos amigos,
A contar nossas histórias, rir das memorias,
E saber o quanto eramos digamos “bobos”,
Foi um tempo legal, podemos dizer que até especial.
Tínhamos ate uma música,
Papas na linguás, “EU SEI”.
Dá pra acreditar? Que já ate chorei ouvindo-a!
Hoje choro de rir de mim mesma, choramos…

Incrível que ele namorava, e ainda namora a mesma.
Mais fazíamos juras de amor, e diz ele que ate em namoro o pedi!
Eu não acredito muito não, mais como mal lembro de algumas coisas,
Eu só faço a rir, ou chorar de decepção comigo mesma… rs
Brincadeira Sr. Anônimo!

Um dia nos conhecemos mais sem nos amarmos mais,
Apenas pela curiosidade dos anos.Poxa depois de quase dois anos!
A única coisa que lembro ainda vagamente é de suas lentes verde turquesa.
E ele diz que lembra como estava, blusinha branca e calça jeans clara.
Poxa! Nem eu lembrava.
Passaram se anos,
E ainda rimos de tudo isso que um dia aconteceu,
E Somos amigos a cinco anos, antes tínhamos nossas historias,
Falávamos altas horas sobre nos, hoje?
Falamos dos outros, e das histórias que ele anda aprontando.
Confesso que choro de rir, “o pescador”! rs.
Mais o legal de tudo isso é que ainda somos amigos,
Porém nos vimos apenas uma vez,
Mais é como se conhecêssemos á anos pessoalmente,
E aquele amor louco, graças a DEUS não existe mais,
FAZ TEMPO! Apenas ficamos nas vagas lembranças,
E choramos de rir toda vez que lembramos.


É, e a musica até q fez sentido em nossa amizade,
“…Eu sei tudo pode acontecer…”
Hoje vejo que pode mesmo!
Vaga lembrança de nosso amor platônico anônimo,
Espero que fique sempre na memória,
Até que a morte nos separe, EPA!
Melancólico demais, até que ponhamos um FIM.
Espero que NUNCA!

Panmela Pacheco








segunda-feira, novembro 26, 2012

“Siga os passos”





Saber andar com Deus mais não seguir seus passos,
É o mesmo que desenhar em uma folha branca
E nada do que fora desenhado aparecer.

É o mesmo que beber água e continuar com sede,
É o mesmo que comer e não saciar a fome,
Não basta apenas andar com Deus,
Tem que seguir seus passos.

Agir e falar como Ele,
Ser paciente na tribulação,
Perseverante até ao fim.

Andar com Deus, não é simplesmente andar ao seu lado,
Mais fazer a diferença como Ele faz,
É o mesmo que desenhar e aparecer em cores,
Sorrir e curar o chorar,
Falar e torna o amargo em doce como mel.

Porque Deus age quando quer,
No silêncio, no louvor na palavra,
Não importa a maneira,
Ele jamais te deixa no vazio.

Tudo é uma questão de tempo,
procedimentos que Deus modela-te.
E se ainda Deus não te respondeu não chores!
Não reclames!
É porque Ele quer que você se achegue, mas a Ele,

Siga seus passos,
Escute no silêncio,
Espere com fé!
E, desenhe com ousadia...


Panmela Pacheco

segunda-feira, novembro 19, 2012

“Queria, mais o medo não quer”




Queria usar todas as palavras possíveis para descrever o que sinto.

Queria usar o que dentro de mim para mostrar o quem eu sou.

Queria ser eu para você, e declarar- me sem medo.

Queria perde o medo de olhar nos seus olhos e encontrar seus lábios.

Queria encontrar seus lábios e demonstrar em um beijo a minha paixão.

Queria pegar minha paixão e entregar em suas mãos.

Queria tocar em suas mãos, e sentir o calor delas sobre as minhas.

Mas as palavras não soam, e o meu eu esconde- se.

O meu olhar disfarça, e meus lábios sorriem como se nada acontece dentro de mim.

A paixão desparece no meio de um deserto sem fim.

Apagando pensamentos de possibilidades de estar junto a ti.

Segurando fortemente uma caneta descrevo pra ti.

Um dia talvez ei de dizer, queria que fosse agora!

Mais o medo só me faz esconder.

Panmela Pacheco

segunda-feira, novembro 12, 2012

Confuso





Confuso é você se confundir na confusão mais confusa,
Em meio ao confundido confuso.

Assim é um coração confuso,
Confuso no olhar, no falar, no agir e no pensar.
confundi o confuso a confundir.

Não entende o porquê, não escolhe,
O coração fica sem ação,
Agindo pela razão tomada pela emoção
no meio na confusão.

Confunde o confuso,
Sem ter um ponto final da confusão.
Sem início, sem meio sem fim.


Panmela Pacheco

segunda-feira, novembro 05, 2012

“Pulga atrás da orelha”


         

Um dia alguém me disse que quando se fala demais o nome de uma pessoa,
É porque ela esta no seu coração!
Será?

Será o nome doce?
Ou será que o tornamos doce?
Será que está no coração?
Ou é apenas tentativa de apagar uma ilusão?

Quando se fala demais com carinho,
Acredito que seja amor,
Mais quando se fala na irá?
É sinal de paixão?

Agora abre se uma dúvida!
Amor? Ou, paixão?
Talvez eu fosse a pessoa certa pra responder,
Mais a primeira a duvidar!

Mais pra sem sobras de dúvidas,
É melhor jogar para ar,
E deixar o tempo me alcançar
Chega de retóricas! 


Panmela Pacheco

segunda-feira, outubro 22, 2012

"Atitudes não dizem quem você é!"






Chorar não significa uma perda,
Renunciar não significa que você ama…
Abraço apertado não significa carinho.
Sorriso não significa alegria.

Choramos também de alegria,
Renunciamos quando se é preciso deixar de lado
o que também pode nos prejudicar.
Há abraços maliciosos, traiçoeiros e de amizades.
O sorriso tem seus significados.
O olhar fala mais que palavras,
As palavras as vezes torna se inútil,
As atitudes convencem,
Mais as palavras fere,
Fere, ao se perderem no tempo.

Tudo que vivemos,
Falamos, olhamos ou agimos,
Tem pontos de vista
 diferente,
O céu pode hoje estar azul pra uns,
Mais acinzentado para outros.

Cada um enxerga o mundo como quer,
Por isso, não julgue ninguém pelas suas atitudes,
Pois cada uma delas tem seu motivo para serem como são!
Panmela Pacheco

sexta-feira, outubro 19, 2012

"Parada no Tempo"



Tenho tantas palavras para expressar,
Mais as palavras não consigo liberar,
É a vontade de gritar que me sufoca,
As lagrimas correm, fazendo -me parar.
 As palavras saem sem rimas,
Sem emoção, sem citação,
Talvez por não me liberar,
Ou achar que é somente uma expressão.

Sabe quando você tem muito para dizer?
Mas nada consegue a não ser parar no pensamento?
Sabe Aquela vontade de gritas?
Mas não quer que ninguém escute?

Parada no tempo eu vou seguindo,
Sem rumo, sem chão…
Pensando na vida, num passo,
Quem sabe naquela decpção
Não sei dizer,
Nem mesmo falar, ao menos me expressar.

Apenas choro,
Canto em pensamento,
Olho para céu e paraliso meus pensamentos…
É, parada no tempo!


Panmela Pacheco

terça-feira, outubro 16, 2012

Diga !




E toda vez que ouço aquela musica  volto no tempo,
volto a alguns anos onde minha pequena casa era enorme,
Meu pequeno quintal era um enorme jardim,
A minha rua tinha um morro sem fim,
E ao dormi parecia que a noite tinha uma semana...

Onde tudo era tão simples,
E com um sorriso conquistava o infinito das cores,
Meu céu era tão azul,
Meu sol brilhava mais que o ouro,
E tudo era tão engraçado.

 Lembro de coisas como se fosse hoje...
Das brincadeiras de rua,
Das paixões não correspondida,
Das vezes que chorei escondido para que ninguém percebe,
E das vezes que fiz birra para chamar a atenção,
Das artes, das criações e dos pensamentos escondidos.

Fecho os olhos  e viajo nas lembranças,
De onde o medo era maior que a coragem,
As palavras não existiam,
E meus pensamento era só pensamentos.

Hoje ao ouvir essa música vejo quanta coisa boa aconteceu,
Mais que poderia ser melhor ainda se falasse tudo que eu queria dizer,
Sem medo das reações das pessoas,
Sem medo das conseqüências...

Por isso hoje digo o que tenho que dizer,
E aproveito cada minuto ao lado de quem amo,
Porque a vida é passageira e depois poderá ser tarde demais para se lamentar,
 E apenas viver as lembranças e talvez questionar.
Eu poderia mudar!

Então diga o que tem pra dizer...


Panmela Pacheco



segunda-feira, outubro 01, 2012

Mala de Honra





É preciso confiar em você mesmo,
Não desistir de lutar,
Segui em frente sem olhar para trás.

A frente segue um caminho chamado esperança.
A cima de tudo um Deus,
Que segura em suas mãos.

E atrás lembranças de um passado,
Que não deve lembrar com tristeza,
Mas sim, com honra,
Porque a vida lhe ensinou a conquistar,
A lutar!

Por isso confie, acredite,
E tudo que trás na mala da vida,
Use as para não errar mais,
Porque as experiências são para sobreviver a novas que virão.

Panmela Pacheco

quinta-feira, setembro 27, 2012

Palavras




Antes desenhava para expressar o que sentia,
E em cada linha, cor, formato era algo que dizia.

Hoje escrevo,
Talvez sem emoção,
Sem explicação,
Mais consigo expressar o que está em meu coração.

A cada vírgula,
Pontos, e exclamação,
Forma uma poesia, forma uma citação.

O tempo passa rápido demais,
As palavras se perdem no caminho,
Os detalhes são esquecidos.

E o que me resta são as palavras escritas,
O papel já desbotado,
E a caneta para continuar a inspiração.

Porque as palavras?
São palavras!
E o vento os leva...
Panmela Pacheco

sexta-feira, setembro 21, 2012

"Apaixonar- me"




Eu queria apaixonar- me por sorriso,
Apaixonar- me por um abraço,
Queria apaixonar- me por um beijo,
Queria ter o brilho nos olhos ao falar seu nome.

Queria às vezes ser normal,
Queria que as palavras conquistassem- me,
Que meu olhar se encontrasse,
Queria mesmo apaixonar- me.

Queria olhar para as estrelas
Lembrar- me de alguém,
Sonhar com alguém,
Apaixonar- me!
Quem sabe, amar...

Panmela Pacheco


terça-feira, setembro 04, 2012

"Surpreendente"




Surpreendente é presenciar o que nunca imaginou,
É andar por onde sempre sonhou,
É falar o quer, sem ouvir o que não quer.
Surpreendente é imaginar e acontecer.

Surpreendente sentir o que nunca sentiu,
Com alguém que nunca imaginou estar.
É olhar nos olhos dela, e descobri que sua fraqueza é você.
E em cada toque percebe o que cada um quer dizer.

Surpreendente é sentir no beijo
O que a falta de coragem,
Não o deixa dizer;

É esquecer o mundo por instante,
E viver o “eu e você”.
Surpreendente é saber
Que ele não tem nada vê com você,
Mas é ele que te faz enlouquecer.

Surpreendente é escrever sobre VOCÊ,
E ter palavras que não imaginava ter,
Surpreendente é me surpreender.

É descobri que detalhes faz á diferença,
Mais que nem tudo que aparenta ser é,
Surpreendente é não esquecer,
e estar aqui escrevendo sem ter pra quem dizer.

É, surpreendente...

Panmela Pacheco

quinta-feira, agosto 30, 2012

“Vida interrogativa”




Subir ou descer?
Sorrir ou chorar?
Gritar ou cantar?
Falar ou expressar?
Sonhar ou realizar?
Andar ou desfilar?

São interrogações que a vida nos ensina na prática.
Subimos quando preciso,
Descemos sempre que devido.

Sorrimos quando estamos tristes,
Mais também choramos de alegria.

Falamos às vezes demais,
E acabamos nos expressando mal.

Sonhamos alto,
Realizamos o que alcançamos com fé.

Andamos sem destino,
Mais desfilamos quando quer.

Apreendemos cada passo que a vida proporciona,
Conseguimos refletir e conquistar cada espaço,
As curiosidades nos ensina ver o que no mundo há,
Deixa as interrogações,
Muita das vezes sem noções.

Recebemos as exclamações,
E perdemos as emoções.
A vida é assim, boa, à toa,
De quem não tem nada pra pensar,
Ou até mesmo pergunta.

A vida é feita dos espertos curiosos à pergunta...
Mais, onde foram parar as interrogações?


Panmela Pacheco 

quarta-feira, agosto 22, 2012

"Aprendiz"




A momentos que é preciso ouvir “aquela música”.
Caminhar por aquele “caminho.”
Ouvir as “palavras”.

A música te trará lembranças,
Te fará flutuar,
Te levará para outro mundo,
E trará paz para alma,
Uma terapia pelo qual se possível não deixaria ter um fim,
Sem o final da letra, to toque, dos ritmos.
Tocaria sem fim...

Aquele caminho, tão longo,
Levará seus pensamentos ao mais alto,
Te fará refletir, pensar em tudo que te faz querer
 este caminho por algum momento.
Em cada passo lembraras cada palavra dita,
De cada momento vivido, de cada pensamento talvez insensato.
O caminho lembraras a sua vida.

A palavra te fará maduro,
Te trará conhecimento.
E de quem a ouvi lás,
Seguirás um bom exemplo,
pois os melhores conselhos?
Vem de quem já viveste.
Ouviras, talvez as sigam.
Mais jamais se esquecerás das palavras ouvida.

A combinação desses, mostra o quanto você evoluiu.
Todos precisamos passar por certos momentos,
apreender o significado e o sentido de cada palavra,
a diferença do conhecimento e da sabedoria,
Do fazer, e do obedecer,
Do pensar, agir, falar, e ser presente sem está.

A música te faz pensar pelo caminho que deves seguir,
sem medo de errar e nas palavras tropeçar.
Tudo faz sentido quando se tem um novo ponto de vista.
Viva, apreenda e compreenda.
Panmela Pacheco.


terça-feira, agosto 14, 2012

MITIFICAR



Não vou mudar o mundo com palavras,
Nem conseguia mudar com atitudes,
Muito menos obrigar alguém fazer o que eu quero,
A não ser que lhe ofereça dinheiro, ou,
Aponte uma arma em sua cabeça.

Mais a vida não pode seguir assim,
Com ameaças, e nem atitudes forçadas.
Quem acaba se machucando nesse conflito,
São os inocentes...

Quem meche com fogo,
Corre o risco de se queimar.
Mais que se queime sozinho,
Não leve a pureza com você.

Um dia você olhará e verá,
Que tudo foi em vão,
Que  você nunca teve razão,
Mais continuou a persisti no caminho da solidão.

Levando a paz de quem te ama,
O sorriso de quem te quer bem,
E o coração de um alguém...

Pense bem,
Mude sua vida, mesmo que o mundo não mude por você.
Corra o risco de ser feliz,
Mais não perca o caminho.

O foco está em suas mãos,
O caminho  na sua direção,
Não mecha com o fogo,
Mais não deixe que ele se apague de dentro de você.

Ame quem te ama,
Viva pra quem vive por você,
Chore, de alegria,
E não deixe que nada tire o seu valor...

A escolha está em suas mão,
Basta você enxergar!
 E para de querer se mudar.
Simplesmente, viva você!


PANMELA PACHECO



quarta-feira, agosto 08, 2012

Galanteador





É nesse olhar que eu me perco,
É nos seus braços que eu me vejo.
É o seu cheiro que eu sinto.

Sozinha, eu sorrio;
Lembrando- me do seu sorriso.
É, você que me deixa boba assim.

E é nessa loucura do vai e vem que eu deixei me levar,
Por um momento esqueci que não existe conto de fadas,
Esquecendo- me que é impossível ter você pra mim,
Mais está bem, foi eu que te aceitei assim,
Agora também é momento de aceita que chegou ao fim.

Não ria de mim,
Mais sorria para mim,
Não cruza os braços,
Mais me abrace daquele jeito que só você sabe.
Não feche os olhos ao ver- me;
Mais me olho de verdade.

Ok! Já entendi que terminou,
Eu aceitei não ter você pra mim, aceitei que é o fim.
Foi bom ter você por um momento,
Mais enfim, é o fim...

Você se foi, eu escolhi assim.
Nesse vai e vem,
Mais uma vez fechei os olhos e deixei você parti.
É, o conto de fadas acabou por aqui.

Panmela Pacheco

quinta-feira, julho 26, 2012

Última Vez




Eu tentei...
Disse que seria a última vez.
Disse que me calaria,
Que ouviria,
Que ficaria na minha.

Eu tentei...
Tentei ser forte,
Tentei lutar,
Eu tentei fugir,
Lutei, chorei, até mesmo gritei,
Mais não consegui dizer:
- É a ultima vez.

Foi mais forte que imaginei,
Envolveu- me,
E seu sorriso me conquistou.

Conquistou meu coração,
Me deixando na ilusão,
Me fez sentir diferente,
Me fez sentir atraente,
Me senti mais mulher.

Acabou, eu sei,
eu tentei pra não me arrepender
Fiz escolhas pra não machucar – me
Não por você,
Nem por nós,
Mais por mim.

Agora de vez, foi a ultima vez,
E as pequenas lembranças daquela tarde fria,
Jamais esquecerei!
Mais entre nós, foi a ultima vez!

Panmela Pacheco

quinta-feira, julho 12, 2012

"Jardim Secreto"




É intenso, forte,
As vezes relativo,
As vezes expectativo...

A entrada no jardim...
Não se enxerga  nada,
É como andar de olhos vedados,
Só se vê em pensamentos a consequência de um passado.

A consciência paralisa, formando se novas palavras,
Parada no  mesmo lugar,
Sem força e sem como caminhar...
Só se sente os odores das flores murchas.

Sente o frio na pele,
Como se estive no inverno,
Mais sabe que o sol brilha lá fora,
Só é preciso enxergar !

É preciso sair desse jardim,
Caminhar sem medo de errar,
Tropeçar, e levantar!
Sentir as dores, mais continuar!

Tudo tem um preço a ser pago,
Caminhar sobre espinhos foi uma escolha...
Entrar nesse jardim escuro, foi uma escolha.

Mais para desencargo,
É preciso conferir, refletir...
Tentar sair, e prosseguir.
A caminhada pode ser dolorosa,
Pois foi feita uma escolha,
Sendo,  que no mundo fora daqui á milhares de pessoas, livres.

Elas fizeram a escolha certa,
Procuraram por caminhos e pessoas certas,
O jardim é assim mesmo,
Te deixa confuso, e as vezes inconsciente.
Mais quem mandou entrar nele?

Agora é tarde,
Só resta caminhar...
Venha comigo, segure em minha mão..
Desse jardim tenebroso,
Os pensamentos bons te guiará a uma saída.

Panmela Pacheco

"História sem fim"




A nossa história ainda não terminou,
Seu olhar ainda vem de encontro ao meu,
E seu sorriso já  não consegue disfarça,
Sei que mesmo ao lado dela,
Você ainda se balança quando me ver.

Sei que entre nós foi coisas de momento,
Eu chorei sim,
Mais sorri também,
Lembranças boas sempre levarei.

Sei que tudo se foi pra nós,
Mais sei que nossa história ainda não  terminou,
O receio ficou,
Mas as nossas almas ainda se suspiram...

Vejo te longe a me olhar,
Vejo seu sorriso, esquece! Não dá pra disfarça.
Quando me vê com outro,
Seu semblante põe se a mudar.

Não pense que sou diferente,
O meu dói mais ainda,
Porque vocês namoram,
E se terá um fim não sei...

E se nos teremos volta,
Também não sei,
As vezes sinto que sim,
Mais meu pessimismo diz que não!
Mais sei que nossa história não terminou aqui...

Panmela Pacheco

sexta-feira, julho 06, 2012

Erro? Em querer que não erres...




Errar é humano, persisti no erro é burrice.
Conhecer o caminho,
Saber que nele há espinhos,
Mais, insistir por ele passar.

Pensar, refletir...
E sabe que tudo errado está,
Mais no erro insistir em ficar.

Passar noites mal dormidas,
Dias com preguiça,
Sem animo, sem coragem alguma,
E saber que o causador dessa melancolia,
Mais no erro, insistir em ficar.

Burrice seria uma forma errada de usar,
Pois até o burro sabe onde parar,
Principalmente se em sua frente, um obstáculo há!

A palavra certa seria TOLICE.
Pois o erro não quer enxergar,
Não quer ouvir,
Não quer falar,
Apenas nele, insiste em ficar.

Errar é humano sim, mais persisti nesse erro?
É, é simplesmente entrar em um barco furado,
E saber que em instante nele você irá afundar.

TOLICE!
Você errar,
TOLICE!
Você nele ficar.
TOLICE!
Querer aconselhar-te, e você os ouvidos tampar.

É, Tolice...
Deixa pra lá,
Apreenda errando, quem sabe você se valorizará!

Panmela Pacheco


sábado, junho 30, 2012

Inspiração



Preciso pensar,
Criar, acreditar,
Preciso expressar...

Preciso Sentir,
Cantar, falar,
Preciso silenciar-me...

Preciso de tempo
De atitudes
Preciso andar
Preciso parar...

O que realmente preciso?
Preciso pensar!
Porque sem os pensamentos não conseguirei criar.

É, eu preciso...
Preciso do detalhes,
Da simplicidade,
Preciso de verdades,
De realidades.

Apenas preciso escrever...
Inspirar me...
Preciso !

Panmela Pacheco  


segunda-feira, junho 18, 2012

Sem Sentidos




Sabe o que não consigo entender?
O por que as coisas acontecem de certas maneiras...

Por quê a água do rio é doce?
E a do mar é salgada?

Por que o sol é de dia?
E a Lua é de Noite?

Por que há pessoas ricas?
E por que há pobres?

Por que diferenças de línguas?
Por que a madeira é tirada da árvore?
E  por que o vidro é da areia?

Queria entender o por que mundo tem cores?
E a paz é simbolizada pelo branco?
E a guerra pelo preto?

Por que felicidade tem que ser acompanhada de um sorriso?
E amor de gentilezas?
E as perguntas sem respostas?
Sem sentidos?

Não consigo entender,
Por que tudo  é de um jeito estranho,
Tudo é meio sem sentido,
Onde o meu mundo, ninguém consegue ver,
Tente entender!

As coisas  há sentido,
Mais você sabe? Não!
É, sem sentido...


Panmela Pacheco


segunda-feira, junho 04, 2012

Expressões




É no olhar,
No sorriso,
Até mesmo em um gesto,
Que conseguimos observar um sentimento.

Talvez um sentimento de carinho,
Ou, malicioso,
Sentimento de amizade,
Quem sabe apenas só um gesto.

Gesto que deixa no ar a curiosidade,
Agora é? Ou será que é?
Gesto que meche com os sentimentos
mais escondidos, gestos...

Sem palavras,
Sem sintonia,
Sem afeição,
São apenas simpatia,
Alimentando uma imaginação.

Seria bom se soubéssemos captar todos os gestos
Desde um desprezo até ao chamego.
Saberíamos olhar de verdade,
Sorrir de verdade,
e com certeza aprenderíamos amar de verdade.

Mais enfim,
gestos, são apenas gestos,
embora signifiquem alguma coisa,
Hoje eles não estão significando nada.

Panmela Pacheco

sexta-feira, junho 01, 2012

Sazonamento



Maturidade?
Não significa idade,
Não significa deixar de sorrir,
brincar, falar alto às vezes.

Maturidade?
Não é deixar de chorar,
Não calar pra ser simpático,
Não omitir o que sente.

Ser maduro é ser criança nas horas difíceis,
Porque criança, mesmo com dificuldade,
Enfrenta tudo com um sorriso no rosto.·.

Ser maduro é saber dividir o tempo de brincar,
É falar serio quando preciso,
É ser presente na vida dos amigos,
É ser palhaço, contador de piada.

Ser maduro? Não é ser carrancudo!
É simplesmente ser você mesmo.
Isso sim é maturidade....


Panmela Pacheco


"A maturidade me permite olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranquilidade, querer com mais doçura."

sexta-feira, maio 18, 2012

Fim da tarde tente sonhar...



Fim da tarde, e começa tudo outra vez...
As mesmas palavras,
As mesmas reclamações,
As mesmas atitudes,
e nada muda.

O que intristece- me não é ouvir, mais...
É saber que nada disso vai mudar,
Os dias irão passar,
As noites virão,
As chuvas molharam meu rosto,
Esconderão minhas lagrimas.

Por fora uma enusitavel beleza,
Sorriso de orelha a orelha,
Mais por dentro a dor,
As lagrimas correm
Os suspiros forte fadigado,
cansado! Cansado dessa mesmice.

Quem saiba eu tenha que mudar,
E deixar de acreditar na perfeição,
Sei, que nada é perfeito.
Mas nas entre linhas descobrimos o caráter.
Talvez, eu deveria deixar de acreditar,
Ou acreditar, para não mais chorar.
Noites de frio, dias de chuva,
 E o sol a brilhar,
Mais para mim nublado está.

Começa tudo de novo,
A agonia predomina em meu peito,
Como raízes forte se alastrando,
Destruindo tudo a sua volta.
Quem vê essa árvore bonita,
Cheia de frutos, não sabe como por dentro esta,
Cheia de feridas, e bichos imundos.
Entendam o que querer entender,
Mais, a alegria ela toma, mais ao final do dia ela sempre moribunda.
Árvore infeliz, árvore sem vida, é a vida de quem vive sem motivos a esse mundo.

Fim de tarde, e mais nada quero,
A não ser ver o sol nascer de novo,
E esquecer-se dos pesadelos.

E sonhar com lugar onde poderei brotar,
Dar flores de verdade,
Ver o sol tão brilhante e dias sem chuvas.
E pode acreditar, que tudo isso vai passar,
No dia seguinte quando eu me levantar.


Panmela Pacheco

terça-feira, maio 15, 2012

Indiferença




Até ontem você pra mim era invisível.
Mal sabia seu nome,
Nem mesmo a sua função.

Ontem não fazia diferença,
sua cor, ou sua religião.

Hoje, sinto falta de você no meu dia- a dia.
Sinto falta do seu sorriso,
Sinto falta do seu olhar.

Sei que talvez, nunca seja correspondida
com o mesmo olhar.
Com o mesmo sorriso.

Sei que hoje penso mais,
Analiso mais sobre nos dois.
Mais confesso que se pudesse voltaria ao ontem.

Porque assim o hoje, não faria mais sentindo.
Porque o hoje dói.
E pra recuar, não dá mais.

Vou viver com meus sentimentos escondidos,
porque um dia quem sabe, possa ser ouvido,
Ou, até mesmo compreendido.

Panmela Pacheco

quinta-feira, maio 10, 2012

Desabafo




Queria colocar no papel tudo que passa aqui dentro...
Minha mente parece um vulcão entrando em erupção, são perguntas que não se cala, são atitudes que me deixa confusa, são momentos que não consigo lembrar, são  letras de musicas que disparo a cantar, canto como se estivesse sentindo as, mas, percebo que não passa de melodias, porque não tenho por quem senti, pra quem senti las. Me pego sorrindo de  lembranças que não volta mais, chorando sem saber o porque, as vezes me sinto madura de mais, criança de mais e as vezes não sinto nada. Há momentos que procuro saída, corro da vida, e às vezes vivo a vida, procuro pessoas mais velhas, talvez para saber se me entendem,  mais percebo que tão pouco consegue assimilar o que falo, talvez, eu não saiba me expressar nas palavras, ou  , elas sabem as respostas e preferem que eu as viva. Sei que a vida é pra ser vivida, mais procuro atalhos para algumas saídas, errada? Talvez sim, mais procurando evitar as feridas. O incrível, é que quando procuramos resposta, vem somente às perguntas, e quando as perguntas têm resposta, perdem a graça, vem a dúvida, a aflição, a incerteza toma conta, e começa tudo de novo a vontade de pegar o papel e a caneta;e desabafar, não para que as pessoas entenda, mais simplesmente para tirar as palavras cravadas na mente e no coração.


“Cada pessoa tem uma certa paixão, paixão por música,  por livros, animais, flores, carros,  mas e eu,  simplesmente sou apaixonada por escrever”.

Panmela Pacheco

quinta-feira, maio 03, 2012

Hoje




Aprendi viver hoje,
Lembrar das coisas boas do passado,
E não planejar o futuro,
Mas sim, deixar acontecer...

Aprendi que hoje é hoje
E amanhã?
E outro dia...

Aprendi que vale a pena tentar o hoje.
Sonhar hoje.
Viver hoje.
Amar hoje.
Conquistar hoje.
Porque amanhã?

Aprendi que as sementes de ontem,
são as flores de hoje.
Que tudo passa mais volta quando é pra ser seu.

Aprendi amar.
Perdoa e dá o perdão,
Chorar para limpar o coração.
Viver na emoção e jamais deixar o hoje se tornar preocupação.
Aprendi colocar para fora o que me sufoca.

Aprendi hoje,
Aprendi sobre o amanhã...
Aprendi viver a vida,
Aprendi ser assim.
Hoje, eu aprendi...
Panmela Pacheco



sexta-feira, abril 27, 2012

Utopia



Ao deitar no fim da noite, coloco a cabeça no meu travesseiro de sonhos...
Sonho com o dia, sonho com a noite,
Sonho com nome que poderia ter cada estrela.
Sonho andando sobre algodões, bem branquinhos e azulinhos.

No sonho, realizo os sonhos.
Ando de mão dada com a felicidade,
Prosado minha história de amor.

Sei que tudo é um sonho,
Sonho que não quer parar de sonhar,
Sonho de menina, sonho de esperança.

O despertador logo toca,
Assustada, levanto-me,
Corro para janela, buscando ali outro mundo.
A vontade de chorar logo bate,
Mais o orgulho é mais forte,
E aquela lagrima que queria correr,
Se seca como no deserto escaldante.

Mais um dia se passará,
E de olhos esbugalhados vou ficar a esperar a noite chegar!
Porque os sonhos que sonho, só Deus há de realizar.
Enquanto não os acontece, prefiro a noite esperar.

Panmela Pacheco

Utopia tem como significado mais comum a idéia de civilização ideal, imaginária, fantástica. Pode referir-se a uma cidade ou a um mundo, sendo possível tanto no futuro, quanto no presente, porém em um paralelo. A palavra foi cunhada a partir dos radicais gregos οὐ, "não" e τόπος, "lugar", portanto, o "não-lugar" ou "lugar que não existe".

quarta-feira, abril 25, 2012

"Ainda me lembro"



Sabe aquele olhar tímido?
Sabe aquele sorriso escondido?

É assim, é assim que eu fico,
quando estou do seu lado...

As palavras somem,
o olhar enriquece,
e os lábios se encontram...
Sabe aquela gargalha?
Aquela conversa que só nos dois entendemos?
E aquele olhar, de quando esquecemos nosso compromisso do dia?
É, é assim ao seu lado,
O tempo passa,
As horas voam,
E eu fico aqui sonhando com você...

Recordando do passado,
Dos sorrisos, dos olhares,
Das brincadeiras de criança,
Lembro- me de tudo...

Até do fim, sem esperanças...

Panmela Pacheco

segunda-feira, abril 16, 2012

Mulher de honra


Mulher virtuosa quem achará?
Encanta com seu olhar,
Deslumbra em seu falar.

Cheia de vida,
Cheia de virtude,
Bela mulher que brilha na vida.

Conquista seu espaço,
e faz dele seu palácio,
Vive com intensidade,
Apaixona se por simples detalhes.

Mulher cheia de vida,
Mulher cheia de coraje!
é a Gislene Pirani Silva
Que hoje faz aniversário.

Mais mulher entre as mulheres
Pois teve a honra de ser concebida,
em uma data comemorativa;
Dia da mulher, dia da vitória.

Parabéns pelo seu dia,
Parabéns pela sua conquista,
Parabéns minha amiga,
Você é joia valiosa
Você é por Deus escolhida...

Panmela Pacheco

terça-feira, abril 10, 2012

Busque Amor



Estou tentando ser feliz,
Viver a vida como a bíblia diz,
Amar ao próximo e a mim mesmo,
Perdoa quem me machuca,
Não julgar as aparências.

Estou lutando contra as aflições,
Correndo atrás da minha vitória,
Estou contente com tudo em volta,
Estou caminhado contra a derrota.

Se sorrio é pra te encantar,
Se eu canto é pra te amar,
Aprendi dar valor na vida,
Aprendi a conquistar.
Hoje conto a minha vitória,
Hoje vivo a minha história,
Hoje vivo cada momento como se fosse ultimo toda hora,
Hoje sou feliz como a bíblia diz.

Busquei amor,
Busquei perdão,
Por isso não tenho solidão,
Sou apenas consequência
de uma boa comunhão.

Panmela Pacheco


quinta-feira, março 29, 2012

Dores do silêncio



Esse silêncio que a mata levando a solidão,
Sem palavras, sem explicação...
Esse silêncio que a aflige
Esse Silêncio sem perdão.

Criam-se expectativas fora da concepção,
Foge da esperança como foges de um furacão,
Leva a vida sobre palavras,
E sente a opressão.
Acordar sem ver a luz do sol,
Caminhar sem uma direção,
Entende ou tentar entender,
Sorri para não demonstrar sua feição.

O silêncio não a consola
Não se faz,
Não se esquece,
O silêncio feriu a alma,
O silêncio a enlouquece.

Doce menina,
Doce lembrança,
Chora feriada pelo triste silêncio.
Fica quietinha aguardo quem sabe um dia uma esperança.


Panmela Pacheco




segunda-feira, março 26, 2012

Ei, Psiu...



Dói saber que o tempo passou,
Mas olho para vida com alegria,
porque você esteve nele.

É triste sabe que te perdi,
Mais torço pela sua felicidade.

Choro por não está mais aqui,
Mas quando me lembro do seu sorriso,
Lembro-me também dos momentos que vivi ao seu lado.

Eu queria sim, voltar no tempo,
Me entregar, te amar...
Eu queria ser para sempre sua,
Sem limites, sem regras.

Mas o tempo se passou,
E tirou você de mim,
Te levou pra bem distante,
Apagando seu amor.

Tudo bem, sei que tempo não foi meu amigo,
Sei que eu errei,
Sei que eu falhei,
Agora sei, que também perdi você.

Mas antes você feliz!
Do que sofrendo por amor,
Antes eu te perdendo,
Do que você me perde.

Ei, Psiu...
Eu estarei sempre aqui,
Sabe por quê?
Porque, eu quero sua felicidade!
Porque eu te amo!


Panmela Pacheco

quinta-feira, março 15, 2012

Me perdi no tempo


Sinto dentro de mim um vazio,
Sinto- me sem forças,
Sinto minhas lagrimas,
Sinto medo.

Eu me perdi nos dias,
Eu perdi o sol e as estrelas,
Eu perdi o sorriso, perdi o olhar
Eu perdi a vontade de amar.

As minhas forças se foram quando você partiu,
O meu sorriso se perdeu.

Gritei aos quatro ventos,
Procurei em toda parte,
Mas, nada trouxe- me você de volta.

Eu o amava e não sabia,
Te queria e não assumia
Quero...
Mas agora é tarde demais,
Apenas escrevo,
Apenas choro,
Pois eu sei que não há, mas volta.
Panmela Pacheco

quarta-feira, março 07, 2012

Agora eu sei...



Só agora eu sei que te perdi,
Só agora entendo como dói,
Só agora...

Só agora vejo o sol nascer e não
 mas clarear o meu dia,
Só agora olho para as estrelas e não as vejo  brilham,
Só agora entendo o que é o tal de amar.

Só agora sinto as lagrimas caírem,
Só agora sinto o fogo que arde,
Só agora sinto a dor de uma perda.

Agora sinto,
Agora vejo,
Agora choro,
Agora calo-me
Por quê?
Porque só agora sei o que é perde você!

Panmela Pacheco