quinta-feira, agosto 01, 2013

Juiz congênere




Parece simples pegar uma folha de papel e descrever algumas palavras.
Parece simples dizer que as feridas irão sarar e não ficarão cicatrizes.
Parece simples olhar pra chuva e a mandar parar.
Parece simples fechar os olhos e sonhar.
Tudo parece tão simples.

Parece logico sentir fome nos horários de alimentar-se.
Parece logico sentir frio quando bate um forte vento.
Parece logico correr e soar a camisa.
Parece logico escrever as coisas com certeza de como elas são.
Tudo parece simplesmente tão logico.

Parece imaturo querer azul e só ter o rosa.
Parece imaturo chorar por amor e esquecer as riquezas da vida.
Parece imaturo imaginar um mundo de paz.
Parece imaturo querer sempre mais, mais o mais limitar – se.
Parece tudo imaturo nos olhos de quem é imaturo.

Parece velhice querer ficar em casa quietinha com um bom livro.
Parece velhice trocar a dança por um jogo de dama.
Parece velhice querer o silêncio em vez da bagunça.
Parece velhice sorrir somente quando algo tem graça.
Parece velhice ser uma pessoa seria e não agir como criança.
Tudo parece velhice quando se acha jovem demais para reparar os melhores detalhes da vida.

Parece maturidade ficar o tempo todo com a cara amarrada.
Parece maturidade ignorar uma piada.
Parece maturidade disfarça uma gargalhada.
Parece maturidade desviar um olhar de uma cantada.
Tudo parece maturidade, mais você pode estar errado.

Parece simples ser logico.
Parece logico ser imaturo.
Parece imaturo ter um pouco de velhice.
Parece velhice ter maturidade.
Tudo pode parecer o que não é.

As aparências nos engana,
Nos faz criar uma imagem ilícita.
Não se deve ligar para o parecer,
Mais sim conhecer as pessoas para poder saber.
Que o que parece, pode não ser!
Panmela Pacheco



Nenhum comentário:

Postar um comentário